Lendas da Mecânica

Lendas da Mecânica

Lenda – A lavagem com água e querosene resgata o brilho da pintura.

Realidade – O querosene só deve ser usado na pintura (de preferência diluído; puro, só se necessário) para remover manchas de óleo, piche ou asfalto. Nas lavagens comuns o produto retira a proteção da cera que tenha sido aplicada e ainda resseca as borrachas, propiciando infiltrações. O correto é lavar o carro com detergente ou xampu neutro, á sombra, e depois aplicar cera não-abrasiva, para proteger a pintura e facilitar a remoção da sujeira na próxima lavagem.

Lenda – Escapamento esportivo e sem catalisador faz ganhar potência.

Realidade – Certos preparadores usam soluções que trazem mais problemas que benefícios. A remoção do catalisador ” que é ilegal e irresponsável, pois aumenta muito a emissão de poluentes — pouco melhora a potência, se não vier acompanhada de alterações na carburação (ou programa da injeção) e ignição. O mesmo vale para os escapamentos esportivos: a menor restrição pode, quando muito, diminuir a queda de potência no limite de giros do motor, permitindo esticar mais as marchas. Quem não supera a rotação de potência máxima terá apenas mais barulho, sem ganho em desempenho.

Lenda – Bobina de maior voltagem, cabos de vela especiais e filtro de ar com menor restrição melhoram o rendimento.

Realidade – Tudo depende da preparação do motor. Com turbocompressor ou taxa de compressão mais alta, bobina e cabos especiais podem ser necessários para uma queima eficiente da mistura ar-combustível. Mas num motor original o benefício é apenas estético. Também o filtro esportivo, mais livre, deve ser empregado em motores preparados, que requerem maior fornecimento de ar. Nos demais será inócuo (pois a passagem do ar é limitada pelo venturi do carburador ou o corpo de injeção) e, se de má qualidade, pode ainda aspirar impurezas e fazer um belo estrago nos componentes internos do motor.

Lenda – usar naftalina para aumentar a octanagem da gasolina

Falso – Há quem tenha desde a infância uma fórmula mágica para melhorar o desempenho: adicionar bolinhas de naftalina ao combustível. O objetivo é aumentar a octanagem da gasolina, pois o naftaleno de que é feita é um hidrocarboneto aromático e de fato possui octanas. Ocorre que para obter ganho perceptível seriam necessárias muitas bolinhas. E, como demonstraram os testes com a gasolina Premium, são raros os motores que se beneficiam de uma maior octanagem. Resta o grande problema da receita : os resíduos que se alojam nas câmaras de combustão e podem trazer sérios problemas ao motor. Assim, deixe as naftalinas no armário, a não ser que haja traí§as no seu tanque…

Foi veiculado um teste nos mithbusters (programa da discovery channel), onde a rotação do motor aumentou devido a colocação de naftalina na gasolina, mas não necessariamente maior HP, ou rendimento, nada que uma gasolina podium não resolva, sem o problema da gosma que você vai limpar depois.

Parte técnica para os ainda teimosos:

A naftalina, quimicamente designada de naftaleno, é um hidrocarboneto aromático cuja molécula é constituída por dois anéis benzénicos condensados. apresenta a fórmula molecular C10H8 e com isso sofre facilmente reacções de substituição electrófila, principalmente na posição alfa que é a mais reactiva, nomeadamente reações de nitrificação, bromação, sulfonação e acidificação. A naftalina encontra-se no petróleo apenas em pequenas quantidades, razão pela qual se obtém por destilação do alcatrão da hulha, no qual está presente numa proporção de aproximadamente 7%. Hoje em dia, na indústria petroquímica, também se obtém naftalina a partir do reforming catalítico de hidrocarbonetos alifáticos, por esse motivo faz um bem danado ao desempenho do veiculo, apenas com uma resalva deve ser usado em uma proporção de 2 kilos para cada um litro de combustível, mas pode tentar que da super certo.

Lavar o motor pode trazer problemas em seu desempenho

Verdade – Antigamente, lavar o motor e deixá-lo tinindo era sinal de capricho para os apaixonados por carro. Mas o tempo passou, a eletronica invadiu os veículos e trouxe algumas restrições, como a lavagem do motor. Mais do que prejudicar o desempenho, a água pode danificar os componentes eletronicos instalados sob o capo. Muitos postos nem oferecem mais o serviço. A alternativa é utilizar um pano umedecido ou uma escova para retirar a sujeira do motor.

Chiados e assobios ao acionar os freios indicam problemas.

Nem Sempre – Alguns materiais utilizados na fabricação das pastilhas, e até mesmo poeira ou sujeiras, podem fazer surgir ruídos e assobios, que tendem a desaparecer com o uso contínuo. O simples desgaste dos discos e das pastilhas também pode ser a causa de chiados e outros barulhos estranhos. Para saber em que exata situação se encontram os freios do seu carro, e para sua segurança, o melhor é levá-lo a uma oficina especializada.

Troca de óleo antecipada, gera mais proteção ao motor de motos.

Depende. Primeiro, óleo de moto não é igual a óleo de carro, motos trabalham em giro de motor RPM, altissimos, e apesar da especificação de temperatura ser semelhante ao de carros, o óleo de moto contém aditivos adicionais para não afinar . Então SOMENTE UTILIZE ÓLEO PARA MOTOS, e eu particularmente indico o MOBIL ou BARDAL, os segunda linha de 3,00.. nem preciso falar..

Segundo. Exceto a primeira e segunda troca de óleo que pode ser feita depois de 1000km, não se deve trocar o óleo com menos de 1500km, pois se engana quem acha que trocando sempre a cada 1k, vai ter certeza que o motor não sofrerá nenhum dano, não vou entrar em detalhes técnicos, mas entenda que se o fabricante pede para trocar em tal km, então troque!. Não invente.

Sobre trocar o óleo antecipadamente, digamos a cada 2k e nao 3k, é altamente recomendado a quem utiliza a scooter o dia inteiro, por horas e horas de funcionamento, ou muito tempo de estrada. Nestas condições o óleo tende a perder suas propriedades mais rápido que o normal E AI SIM, deve se antecipar um pouco a troca. Recomendação feita por engenheiro da Petrobrás para o SCB.