Depoimentos – Honda Foresight

O Scooter Clube Entrevistou o Sr.Pedro Bozzola, brasileiro, residente na Itália e que nos contou suas impressões na entrevista abaixo.

Nome: Pedro Bozzolla Vieira

Profissão: Arquiteto

Cidade:Belo Horizonte (atualmente vivendo em Genova-Italia)

Moto/Scooter: Honda Foresight 250cc

Tempo de Habilitação para motocicleta:1 ano

Scooter Clube -Quando tomou a decisão de adquirir uma scooter e porque?

Pedro – Uma série de fatores me levaram a essa decisão além de uma vontade que eu já tinha a muito tempo de ter uma moto. Estava cansado de esperar ônibus, aqui na itália tem muita oferta, seja de modelos que de preços. Aqui você não paga estacionamento rotativo, você não fica preso em congestionamento, encontra sempre lugar para parar ao contrário do que acontece com os proprietários de automóveis. Mas acima de tudo o prazer de passear.

SC -Qual seu histórico de motos/scooters?

é meu primeiro scooter.

SC – Em relação a segurança, em pilotar, qual sua opinião?

Pedro – Acho que a pessoa precisa ter bastante responsabilidade para guiar uma moto, ainda bem que eu não comprei uma moto quando tinha 18 anos porque provavelmente teria feito alguma burrice e ao contrário do automóvel com qualquer bobeira você pode se machucar muito. Para resumir tem que assumir a famosa postura da direção defensiva.

SC – Em relação ao conforto, qual sua opinião?

Pedro – Eu diria que a chuva realmente é um problema, mas aqui na Itália não tem um período chuvoso longo e intenso como no Brasil então é mais fácil. Os problemas aqui são o frio (mas se você tiver agasalhado nem sente). De qualquer jeito no inverno a luva é um artigo indispensável porque a mão fica dura e chega a doer! O outro problema é quando neva, aí não tem jeito! È chão certo! Já vi gente derrapando e caindo a 15km/h numa reta. Outra coisa que para um scooter é um problema é pegar estrada porque ao contrário da moto o scooter é um veículo essencialmente urbano e no meu caso apesar de ter um motor bem legal (250cc) as marchas são automáticas então não responde com a agilidade necessária pra te tirar de repente de uma situação complicada.

SC – A potência é o item mais importante? justifique.

Pedro – O mais importante não, mas é bem importante. Eu ando bastante com minha mulher na garupa e Genova assim com Belo Horizonte é uma cidade cheia de ladeiras, com uma cilindrada baixa o scooter fica devendo muito…

SC – Utiliza para qual propósito?

Pedro – Faço tudo com ele vou e volto todo dia do trabalho, faço compras, vou ao cinema, saio pra passear, i pra praia, uso sem exagero sete dias por semana.

SC – Já se acidentou/ou quase se acidentou? Qual foi o motivo?

Pedro – Tomei dois tombos quando estava fazendo auto escola sem maior gravidade, só pequenas escoriações e um pouco de dor no joelho. O motivo foi a total falta de experiência quando se está aprendendo. Ao partir subindo em uma ladeira por falta de intimidade com a embreagem (na mão) eu soltei de uma vez a embreagem e acelerei demais, o scooter empinou e eu fui pro chão.

SC – Você tem interesse de saber mais detalhes sobre scooters?

Pedro – Com certeza, ano que vem vou voltar pro Brasil e pretendo comprar um scooter. é uma grandíssima pena que não tenha scooter de cilindrada mais alta aí no Brasil. O jeito é torcer (e pressionar) pros fabricantes no Brasil se ligarem. Eu já mandei e-mails pra sundown e pra Honda, eles me falaram que a sugestão está anotada mas…

SC – Qual sua opinião sobre a concessionária que comprou. Cite nome e local.

Pedro – Comprei aqui na Itália.

SC – Trocaria/Trocou por outra moto ou veículo? Porque.

Pedro – Estou completamente satisfeito com essa Honda foresight, se tivesse dinheiro trocaria por uma nova (Honda ou Yamaha) porque a minha já comprei usada e é bem rodadinha (32.000 Km).

SC – Recado final

Pedro – Vamos botar gás nesse pessoal ai do Brasil para que abram mais fábricas e que produzam mais modelos. Nada melhor do que ter opçoes de preço, cilindrada e modelo. Eu acho que é um mercado com um potencial enorme e ainda pouquíssimo explorado. Sou muito fã dos scooters porque como disse acima por uma série de motivos (que podemos discutir depois) eles são mais adaptados ao transito urbano. Torço para que acabe um certa mentalidade (leia-se preconceito) que ainda existe no Brasil de que scooter é moto de menininha! O scooter é uma alternativa e uma possibilidade inteligentíssima para um deslocamento prazeroso e ágil!!! Posso dizer que é quase uma escolha ideológica.

——

Este modelo de Scooter, é fabricado pela Honda desde 1987, e veio em substituição da futuristica Honda Helix Streamliner, da década de 80, além do modelo 250cc existe também a de 125cc, boatos dizem que a Honda irá lançar a esperada versão 400cc, mas pelos especialistas, isso é praticamente impossível.

Pedro – Aqui no Brasil, não se tem informação sobre algum proprietário, e a Honda por enquanto não tem interesse em fabrica-la no Brasil. Ela é muito utilizada na Itália, Alemanha e França, onde faz o maior sucesso.

Scooter Clube do Brasil